Marceneiro Tem Direito à Aposentadoria Especial?

Marceneiro Tem Direito à Aposentadoria Especial

Você marceneiro tem direito à aposentadoria especial sabia disso?

Afinal você ficou exposto durante todo o tempo de trabalho a agentes nocivos. Além do mais, ficou exposta a periculosidade de exercer esta função, pois qualquer distração poderia causar danos irreparáveis.Se você busca mais informações a respeito deste tema, não deixe de ler o artigo a seguir.

Marceneiro Tem Direito à Aposentadoria Especial?

O marceneiro tem direito a aposentadoria especial devido à grande exposição enfrentada por eles aos agentes nocivos. Podemos citar: como ruído e o pó durante todo o tempo de trabalho.

Tais agentes estão presentes na integralidade das jornadas de trabalho, pois vivem com os maquinários ligados o tempo todo. Devido a isso, o pó está presente em todo o ambiente pelo fato de haver corte de madeira constantemente. Além do mais, deve-se levar em consideração os produtos químicos utilizados na maior parte como thinner e verniz.

Viu nosso último artigo sobre o direito de pagamento de insalubridade aos marceneiros? Então clique aqui!

Quem Tem Direito à Aposentadoria Especial?

  • Serralheiros;
  • Marceneiros;
  • Metalúrgicos;
  • Trabalho em mineração;
  • Eletricistas;
  • Operadores de raio-x;
  • Químicos;
  • Soldadores;
  • Motoristas;
  • Ajudantes de caminhão tanque;
  • Construção civil.

Qual o Tempo de Trabalho para se Aposentar?

O marceneiro tem direito a aposentadoria especial a partir de 25 anos de tempo de contribuição.Todavia, o aspecto mais interessante desse método é que você não é afetado por fatores de seguridade social, ou seja, se aposenta a 100%.

Documentos Necessários

Saiba que existem períodos de contribuição diferenciados para aqueles trabalhadores cuja atividade está exposta à agentes nocivos. Este é o caso de vários trabalhadores, dentre eles os marceneiros.

Neste caso o que determina qual será o tempo de contribuição é o agente agressivo ao qual está exposto. Desta forma, o fator poderá determinar se o trabalhador poderá ser enquadrado em 15 anos, 20 anos ou 25 anos de contribuição. E para ter direito, o marceneiro tem direito a aposentadoria especial deverá ter exercido durante todo o período (15, 20 ou 25 anos).

Desde que a sua atividade esteja de forma ininterrupta, exposta aos agentes agressivos. Para isso, é preciso ficar atento ao fato de que é necessário comprovar a exposição a esses agentes. Isso se dá através de um documento chamado “Perfil Profissiográfico Previdenciário”, ou “PPP”.

É através dele que estão todas as informações sobre a atividade desenvolvida pelo empregado, os agentes a que está exposto, os períodos, além de outros itens. Por meio deste, o servidor irá pedir quando você solicitar sua aposentadoria.

E para obter o PPP (que é de direito do trabalhador), é necessário solicitar à empresa empregadora em que você trabalha ou trabalhou durante os anos em que ficou exposto aos agentes agressivos

Visto isso, o marceneiro tem direito a aposentadoria especial se comprovar 25 anos de atividade especial. Mesmo com a reforma foi contendo o requisito de idade mínima de 55, 58 ou 60 anos.

E como vimos, uma atividade especial é todo aquele realizado em contato com alguns elementos que são perigosos ou que fazem mal à saúde(insalubridade). Agora, se este tempo não for suficiente para conseguir a tal aposentadoria, este item será usado para melhorar o valor da sua aposentadoria.

Conclusão

Enfim, saiba que o INSS insiste que a aposentadoria para autônomo não inclui a aposentadoria especial.  Por isso, fique atento e pesquise as orientações recebidas, afinal são leis e regras diferentes, que mudam constantemente. Contudo, há sim a possibilidade da concessão de aposentadoria especial de autônomo em algumas profissões, como marceneiro.

O marceneiro tem direito à aposentadoria especial pois são expostos aos agentes nocivos à saúde, como biológicos, químicos, físicos ou perigosos. O que achou do nosso conteúdo? Deixe a seguir o seu comentário!

Recommended For You

About the Author: Emilly Cavalcanti